Jovens recebem certificados de robótica do projeto Include DF

Programa do Instituto Campus Party, em parceria com o GDF, recebeu investimento de R$ 4 milhões de emendas parlamentares.

Cerca de 500 jovens receberam certificados de robótica, nesta quarta-feira (20), por terem concluído o Programa de Laboratórios de Robótica (Include). Os documentos foram entregues pelo vice-governador, Paco Britto, e pelo secretário de Ciência e Tecnologia, Gilvan máximo, durante cerimônia no Palácio do Buriti, em Brasília.

Ao todo, três mil alunos participaram da primeira turma do projeto que tem o objetivo de promover a inclusão social e econômica para jovens de comunidades sem acesso à tecnologia. Promovido pelo Instituto Campus Party, em parceria com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Distrito Federal (Secti), o Include contou com um investimento de R$ 4 milhões que vieram de emendas parlamentares.

“Estamos treinando e capacitando vocês para as profissões do futuro”, destacou o secretário Gilvan Máximo. “O Parque Tecnológico vai precisar de vocês para que venham ocupar esse espaço”, frisou.

O vice-governador Pacco Britto aproveitou a ocasião para anunciar que a Campus Party 2022 será presencial. “Esperamos que, até lá, esteja controlada a pandemia”, disse. No ano passado, o evento de imersão tecnológica aconteceu de forma remota.

Há três anos, a iniciativa começou no DF com o objetivo de capacitar jovens de baixa renda, entre 12 a 20 anos, e desenvolver habilidades ligadas à robótica, sensores e mecânica. Nas aulas gratuitas, os alunos do Include tiveram a oportunidade de entrar em contato com drones, impressoras 3D e princípios de programação. Os laboratórios foram instalados em 13 regiões administrativas.

Para o vice-presidente da Câmara Legislativa, Rodrigo Delmasso, o futuro foi antecipado por conta da pandemia. “Não podemos admitir que mentes brilhantes sejam exportadas para fora de Brasília ou do país”, ressaltou.

Segundo Delmasso, a CLDF vai discutir a ampliação do Include no âmbito de debates que envolvem o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA), já encaminhado pelo executivo à apreciação da Casa. O Include tem boa aceitação entre os parlamentares. Até mesmo os distritais de oposição ajudaram no destino de recursos ao programa.

Esse foi o caso de Leandro Grass (Rede). “Todo projeto de educação é política de estado, independente de questões políticas, ou partidárias, cabe a gente apoiar”, frisou.

Durante a pandemia de Covid-19, as aulas do Include passaram do regime presencial para o on-line. Por conta disso, o presidente da Campus Party, Francesco Farruggia, ressaltou que parte dos alunos teve dificuldade em realizar as aulas por dificuldades no acesso à internet. Com a retomada das atividades presenciais em 2022, a expectativa é que os alunos poderão aplicar os conhecimentos adquiridos na prática.

Fonte retirada de: R7 Brasília

A inovação e criatividade na era do consumo digital

Não só o varejo, mas praticamente todos os negócios enfrentaram, e ainda enfrentam, desafios no mercado de consumo na era digital. Este, inclusive, passa por tantas alterações rápidas, que também é estudado por diversos especialistas e universidades ao redor do mundo. O mesmo ocorreu com a música.

Basta pensar num passado não tão distante, quando todos consumíamos música por meio de LP’s, depois CD’s, depois em tocadores de MP3 e assim por diante, até chegar ao momento atual: música pela internet, que pode ser ouvida pelo computador, celular, televisores e tablets, em plataformas de streaming – que, aliás, não param de se multiplicar.

Pesquisas recentes da Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI) apontam que o mercado fonográfico no Brasil teve alta de 24,5% no ano de 2020. Já o crescimento geral do streaming musical foi de 37,1%, e os serviços pagos de música online tiveram um aumento de 28,3%.

Atualmente, vivemos a indústria 4.0, em que a internet e a conectividade se consolidam cada vez mais na era móvel e digital, com o país na porta de entrada do 5G, que promete outra revolução na forma como consumimos entretenimento digital. Trata-se de um contexto histórico, fruto de diversas transformações, que usam até algoritmos, inteligência artificial e machine learning para oferecer o tipo de música que mais se encaixe no perfil do ouvinte – e até o humor com que ele se encontra no dia. E toda essa evolução, tecnologia e inovação afetam fortemente os recursos de gestão e até os modelos de negócios.

O evento Hackathon que foi 100% online | Sony Music

Com a pandemia, o mercado da música também foi muito impactado, por causa da ausência dos shows, o que nos obrigou a inovar mais uma vez, para que não se perdesse o contato do ídolo com o fã, incluindo lançamento de shows online, desenvolvimento e promoção de livese conteúdos exclusivos, além de ações para promover interações e engajamento entre as partes – antes e depois dos lançamentos.

É necessário entregar cada vez mais conteúdo de qualidade. Para tanto, é preciso entender os próprios artistas e seus fãs, com o objetivo de conectá-los de formas inovadoras. Além de gerar conexão, tanto para o consumo quanto para o engajamento.

Nesse contexto, o grande desafio para os negócios passa a ser entregar valor para uma demanda latente, existente ou crescente em um cenário de mudanças constantes, que não apenas gera muitas incertezas, mas também obriga os negócios a se reinventarem. No caso da Sony Music, que está presente em mais de 40 países e acolhe inúmeros artistas, essa percepção e mudança de chave ocorreu já faz alguns anos, pois a inovação e a tecnologia estão no DNA da companhia. A Sony foi pioneira, quando o movimento de digitalização começou e, já em 2015, passou a atuar com foco total no ambiente digital.

O acesso à música se democratizou com o crescente acesso à internet e à informação, gerando aumento de competição no setor. É necessário entregar cada vez mais conteúdo de qualidade. Para tanto, é preciso entender os próprios artistas e seus fãs, com o objetivo de conectá-los de formas inovadoras. Além de gerar conexão, tanto para o consumo quanto para o engajamento.

O objetivo de todo o trabalho é fazer música, claro, mas também fazer com que essa música chegue ao maior número de pessoas possível, amplie a comunidade de fãs, promova colaborações entre artistas, e até ir além, com a colaboração entre artistas e seus fãs.

Entende-se que não basta apenas disponibilizar o conteúdo nas plataformas, mas também é preciso se ajustar às tendências do mercado, adaptando-se ao novo momento, que mudou as regras do entretenimento para sempre. Ou seja, o mercado da música precisou se adequar novamente, para criar experiências e atrair cada vez mais engajamento do público, em vez de perdê-lo.

Com tudo isso, é possível perceber que o consumo de música digital ultrapassou apenas a barreira do streaming. O que virá a seguir? Já estou ansioso para descobrir!

*Falo sobre esse mesmo tema em palestra recente para a Campus Party Digital Edition 2021.

Assista à palestra completa aqui:

Fonte retirada de: Terra

Programa para desenvolvimento do Nordeste goiano é lançado em Posse

A Redação

Goiânia – Primeira-dama do Estado, Gracinha Caiado, que é coordenadora do Gabinete de Políticas Sociais (GPS) e presidente de honra da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG), participou do lançamento de programa para o desenvolvimento regional do Nordeste goiano. O evento foi realizado em Posse nesta sexta-feira (1º/10). Iniciativa do Sebrae, o programa Lider (Liderança Para Desenvolvimento Regional) foi criado para contribuir com a articulação entre o poder público, entidades privadas e o terceiro setor em prol do desenvolvimento econômico e social de diferentes regiões.

O programa conta com abrangência nacional e, no território goiano, já foi realizado na região Norte do Estado, apresentando resultados positivos no que diz respeito à promoção da competitividade dos pequenos negócios e fomento do empreendedorismo. Durante evento realizado no Auditório Municipal José Antonino da Silva, em Posse, a primeira-dama Gracinha Caiado destacou a importância da iniciativa e falou mais sobre as potencialidades do Nordeste do Estado, muitas vezes desconhecidas por grande parte dos goianos.
“O governador tem um compromisso muito grande com o Nordeste de Goiás, essa região com tanto potencial, que nas últimas décadas acabou sendo esquecida. Ronaldo foi eleito para mudar a história dessa região e para que os recursos possam chegar a todos os goianos, mas, especialmente, àqueles que mais precisam. Nós sabemos que o governo pode muito, mas não pode tudo. Mas com parcerias podemos ir muito mais longe em prol do mesmo objetivo”, destacou a primeira-dama.
O Nordeste goiano é composto por 21 municípios e se destaca especialmente pelo turismo e agronegócio. Segundo o presidente do Sebrae Goiás, Antônio Carlos, a região foi escolhida pela instituição, neste momento de retomada econômica, por apresentar grande potencial para o empreendedorismo ao mesmo tempo em que manifesta grandes desproteções sociais, com base no Índice Multidimensional de Carências das Famílias Goianas (IMCF), criado no âmbito do Gabinete de Políticas Sociais para elencar os municípios com maiores vulnerabilidades sociais no Estado.
Durante discurso, o presidente do Sebrae goiano afirmou que o índice mostra que o terceiro setor precisa estar presente nestes municípios, para desenvolver o potencial regional por meio de políticas públicas efetivas. “A partir das informações do IMCF, tivemos a convicção de que o Sebrae precisa estar presente na região Nordeste, para contribuir com o desenvolvimento das potencialidades que existem por trás desses municípios”, afirmou.
A partir do lançamento do Programa LIDER no Nordeste goiano, serão mais 14 meses de trabalho com os 55 líderes selecionados. Para alcançar os resultados pretendidos, o programa vai promover mais de 50 encontros para conhecer as prioridades do território e construir uma agenda prática e positiva a partir da análise de prioridades regionais. Todo este trabalho será realizado sob a orientação de um time de consultores do Sebrae. “Fiz questão de estar aqui hoje para o lançamento do projeto LIDER. Tenho certeza que essa iniciativa do Sebrae tem o potencial de ser um divisor de águas para essa região”, reforçou a primeira-dama.
Participaram do evento desta sexta-feira o prefeito de Posse, Doutor Helder; a primeira-dama Carolina Chaves; o vice-prefeito Osmar Júnior; o presidente da Emater, Pedro Leonardo; a diretora-geral da OVG, Adryanna Caiado; e o representante do Ministério da Economia, subsecretário de Planejamento da Infraestrutura Subnacional Fábio Onno. Também participaram do evento a prefeita de Buritinópolis, Ana Paula; o prefeito de Divinópolis, Charley Toletinto; o prefeito de Mambaí, Joaquim Barbosa; o prefeito de Nova Roma, Eleuses Gonzaga; o prefeito de São Domingos, Cleiton Gonçalves; bem como os prefeitos de São João D’Aliança e Teresina de Goiás, Débora Domingues e Mano.
Trabalho social no Nordeste goiano
Durante o evento em Posse, Gracinha Caiado destacou o compromisso do governador Ronaldo Caiado com a região Nordeste. A primeira-dama lembrou o período difícil da atual pandemia ao afirmar que a Covid-19 afetou sobretudo as pessoas que vivem na extrema pobreza. “Por isso, o governador fez questão de garantir a segurança alimentar de todos os goianos que mais precisam do poder público. Apenas para os municípios do Nordeste goiano, as três primeiras etapas da Campanha de Combate à Propagação de Coronavírus garantiram a entrega de cerca de 45 mil cestas”, lembrou Gracinha.
Coordenadora do Gabinete de Políticas Sociais, a primeira-dama também lembrou que, dos 21 municípios que compõem o Nordeste goiano, sete estão na rota do Goiás Social, ação de governo criada para combater as desproteções sociais dos municípios. Alvorada do Norte, Cavalcante, Colinas do Sul, Flores de Goiás, Monte Alegre de Goiás, Simolândia e Sitio D’Abadia já receberam ou estão prestes a receber benefícios e investimentos que envolvem habitação, transferência de renda e geração de emprego.
Além disso, todos os 21 municípios da região vão receber o programa Mães de Goiás, novo auxílio financeiro do Governo de Goiás que destina R$ 250 mensais a mães em situação de vulnerabilidade social com filhos entre zero e seis anos. Ao todo, 7.500 mil mulheres vão ser beneficiadas pela iniciativa, apenas nesta região. “Sabemos que quebrar uma sequência histórica de abandono e de carência do poder público não é fácil. É preciso realizar ações nas mais diversas áreas do governo para que a mudança seja real na vida das pessoas”, enfatizou a primeira-dama.
Mais investimentos
Desde o início do mandato, o governador Ronaldo Caiado já investiu na região Nordeste mais de R$ 22 milhões apenas na área de Educação. Durante encontro com representantes de 13 municípios em junho deste ano, o gestor destacou que os recursos são direcionados, entre várias frentes de atuação, à qualificação estrutural das escolas, viabilizada por projetos para reformas e aquisição de equipamentos, distribuição de material escolar e kits de uniformes.
Ainda na área de Educação, o Governo de Goiás inaugurou, em maio deste ano, dois laboratórios Include nas cidades de Cavalcante e em Alto Paraíso. Parceria do Governo de Goiás com o Instituto Campus Party, as unidades têm o objetivo de promover a educação, modernizar as práticas de aprendizagem e favorecer o ingresso de jovens no mercado de trabalho.
Já na área da Saúde, a gestão estadual inaugurou, em julho deste ano, a ampliação da Policlínica da Região Nordeste, em Posse. Ao todo, foram investidos R$ 754.719,34 para reforma, construção e aquisição de materiais médicos hospitalares. Outra demanda aguardada há décadas pela população local, a pavimentação da GO-110, entre Iaciara e o povoado de Estiva, foi viabilizada neste ano graças a uma parceria entre Governo de Goiás e a Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg).
Em junho deste ano, o governador inaugurou também 12 obras junto à Enel que beneficiaram diretamente todo o Nordeste Goiano. São 12 empreendimentos da Enel Distribuição Goiás, incluindo subestações, cujo investimento é de R$ 312,7 milhões. A parceria entre Enel e Governo de Goiás também levou energia elétrica, pela primeira vez, a comunidades quilombola e assentamentos rurais na região. As obras para conexão à rede de energia elétrica convencional foram realizadas em assentamentos rurais de Formosa e de Flores de Goiás e nos povoados Kalunga de Cavalcante e São Domingos.
Outro projeto importante, com impacto direto na vida dos moradores do Nordeste goiano, é a cerveja regional feita a partir da fécula de mandioca adquirida de pequenos produtores. O insumo serve para a produção da Esmera de Goiás, fabricada pela Ambev. O trabalho conjunto do Governo de Goiás e da unidade da empresa, sediada em Anápolis, impacta positivamente a vida de, aproximadamente, 2,5 mil pessoas do Nordeste goiano, primeira região responsável por fornecer a matéria-prima para produção da bebida.
Nesta semana, o Governo de Goiás entregou, ainda, 60 títulos de regularização fundiária na região. A ação faz parte da Caravana Regulariza Campo, da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Também foram realizados atendimentos aos interessados em iniciar o processo de legalização da posse de terras.
Fonte retirada de: A Redação